Porque é que o “amanhã é que é” se transforma ciclicamente num “depois de amanhã é que é”?